Navegación – Mapa del sitio

A mobilidade do trabalho na metrópole: as mulheres cafezeiras no centro de abastecimento da cidade de São Paulo

Sueli de Castro Gomes

Entradas del índice

Inicio de página

Texto completo

1Dentre as correntes migratórias que configuraram o território brasileiro, destacamos o grande contingente de migrantes oriundos da região do Nordeste do país que partiram em direção ao Centro-Sul. Houve uma reorientação das políticas migratórias que estimulavam a mão-de-obra nacional em detrimento da estrangeira e este fato provocou o adensamento das metrópoles do Rio de Janeiro e de São Paulo. O propósito desse artigo é, a partir de uma das formas de inserção da mulher nordestina na metrópole de São Paulo, compreender a mobilidade do trabalho.  Para tal elegemos as mulheres que trabalham no Centro de Abastecimento da metrópole de São Paulo e que servem cafezinhos em um espaço eminentemente masculino.

Os Nordestinos em São Paulo

2O entendimento da presença maciça dos nordestinos na metrópole de São Paulo só é possível quando estudamos o processo de formação econômica do espaço brasileiro e a reprodução ampliada do capital.

3A compreensão, tanto das áreas de expulsão desses migrantes, quanto da área de atração, faz parte do mesmo processo. Para desvendá-lo, seguimos os passos de Oliveira (1981), a partir da ótica da divisão regional do trabalho e da crítica  do conceito dos “desequilíbrios regionais”. A “região”  sendo portanto fundamentada na especificidade da reprodução do capital.

... uma tendência para a completa homogeneização da reprodução do capital e de suas formas, sob a égide do processo de concentração e centralização do capital, que acabaria por fazer desaparecer as “regiões”, no sentido proposto por essa investigação. Tal tendência quase nunca chega a materializar-se de forma completa e acabada, pelo próprio fato de que o processo de reprodução do capital é por  definição desigual e combinado... (Oliveira, 1981:27)

4Esse marco teórico servirá de referência ao autor supra-citado para explicar o desenvolvimento desigual e combinado do Nordeste e do Centro–Sul1, que possuem formas diferentes de desenvolvimento do capital. A partir das transformações sofridas nessas regiões Oliveira  analisa a complementaridade existente entre elas.

5Destarte, o Nordeste “açucareiro” transforma-se em Nordeste “algodoeiro-pecuário” subordinado ao mercado internacional. Essa economia deu origem a uma classe latifundiária, que possuía o controle político local, eram os chamados “coronéis”. “Nesse rastro é que surge o Nordeste das secas” (Oliveira, 1981: 35). No Centro-Sul havia a oligarquia dos Barões do Café, que seguia a mesma estrutura de subordinação do Nordeste, viabilizando a reprodução do capital atendendo aos interesses do mercado externo. “A ‘região’ do café passa a ser a “região da indústria: São Paulo é o seu centro, o Rio de Janeiro o seu subcentro...” (Ibid: 37). Tanto no Nordeste, como no Centro-Sul houve uma mudança nessa estrutura e há um enfraquecimento do poder local e das economias regionais. Os chamados “arquipélagos” ligados a uma economia externa, são substituídos por uma economia integrada. Essas transformações ocorrem a partir de 1930 e são o resultado de uma política centralizadora, fortalecendo o Estado unificado.

6A concentração fundiária, concomitante à modernização do campo, somada às mudanças nas relações de trabalho e de poder, provoca uma grande expropriação e estimula a grande emigração, agravada nos ciclos das secas. Nesse mesmo período, pela dinâmica de sua economia, o Centro-sul se transforma em um grande pólo de atração.

7A leitura de Singer (1973) reforçou a teoria das desigualdades regionais como motor das migrações internas que acompanham a industrialização das regiões mais desenvolvidas. A divisão regional do trabalho aponta para a interdependência dessas regiões. Há uma subordinação econômica das regiões que exportam matéria-prima e mão-de-obra, denominadas, naquele contexto, de exército de reserva e que importam os produtos industrializados de outra região. Singer discute a migração interna a partir dessa reflexão e faz uma leitura da urbanização brasileira, principalmente de São Paulo.

8O ciclo do café trouxe à cidade de São Paulo entre o outros elementos, ferrovias, bancos, mão-de-obra, mercado regional, que vão servir de apoio às primeiras indústrias nacionais.

9Não há dúvida que a integração do espaço nacional, por meio de ferrovias e rodovias, acelerou e estimulou a migração inter-regional, aumentando deliberadamente o número de nordestinos em São Paulo. Outros elementos contribuíram para a expansão dessa migração, como a política trabalhista de Getúlio Vargas2, que regulamentava algumas reivindicações do operariado, entre elas o salário-mínimo. Os salários nas áreas urbanas eram um atrativo à migração inter-regional pois os salários-mínimos, apesar da legislação federal, eram e são diferenciados. Outro fator significativo foi a política migratória, de 1930 na qual Getúlio Vargas propunha uma lei de cotas, que desestimulava a imigração externa. E por outro lado assinou um decreto que limitava, como afirma Albuquerque, “... em 1/3 o número de trabalhadores estrangeiros por empresa, é dado um passo decisivo para que os trabalhadores nacionais superem em número os estrangeiros na composição da classe operária.” (Albuquerque, 1990: 28).

10Outro aspecto que devemos destacar nesse processo é evidenciado no projeto elaborado pelo governo e apresentado à República Federal Alemã in: Sudene-Boletim Econômico (1962) -a crescente pressão demográfica que se destaca no Nordeste tem suscitado problemas sociais e políticos de suma gravidade...” (Apud Oliveira, 1981: 114). O texto segue citando o aparecimento de associações camponesas, ou seja, destaca uma pressão social para a distribuição de terras, que se não fosse “resolvida” poderia estourar em grandes movimentos sociais, reivindicando a Reforma Agrária. A válvula de escape que o governo encontrou foi estimular a emigração, desafogando e desarticulando possíveis movimentos sociais. Assim “as migrações internas apareciam antes como solução do que como problema” (Vainer, 2000: 25).

11A teoria da mobilidade do trabalho, formulada por Gaudemar (1977), cujo enfoque está na produção e na circulação da força de trabalho, ajuda-nos a compreender melhor a migração de nordestinos para São Paulo. O processo de produção capitalista viabiliza-se na medida em que ocorre o deslocamento espacial dos nordestinos para São Paulo. Esse grupo forma o denominado “exército industrial de reserva”, que é um excedente de mão-de-obra. Sua existência permite manter os salários baixos, devido ao excesso de mão-de-obra. Gaudemar elabora sua teoria a partir das análises de Marx sobre a reprodução do capital. A denominação “mobilidade do trabalho” explica-se na medida em que há um uso capitalista dos corpos dos trabalhadores. Esse uso permite um deslocamento espacial e refere-se tanto a localizações bem como ao uso dos corpos em diferentes condições de intensidade e ritmos de produção, sempre  com o propósito de extrair a máxima produção de valor.

12O capital mobiliza um exército de homens para a sua reprodução, o que explica os deslocamentos populacionais, os grandes fluxos de pessoas que buscam “melhores condições de vida”. A mobilidade não é apenas espacial, podendo ser também social. Quando dimensionamos o contexto histórico no quais os nordestinos estão inseridos, vemos as condições políticas econômicas e sociais que “excluem” grande parcela dessa população dos elementos vitais de sua sobrevivência. Constatamos que essa migração é uma mobilidade forçada, uma estratégia que o capital usa para a sua reprodução. O capital acaba designando a esse grupo as áreas de destino ou os chamados pólos de atração, no nosso caso, São Paulo.

13Muitos dos migrantes nordestinos que foram mobilizados para São Paulo,  incentivados pelo Estado, eram alojados na mesma estrutura que fora construída para a recepção dos imigrantes estrangeiros. Construída na gestão de Antônio de Queiroz Telles, como Presidente da Província, a Hospedaria dos Imigrantes, inaugurada em 1887, no bairro do Brás acolhia estes imigrantes (Andrade, 1994). A edificação enorme, com capacidade para alojar cerca de quatro mil pessoas3, é um monumento da política pública de incentivo ao fluxo de imigração estrangeira, arregimentando uma mão-de-obra barata para suprir o rápido crescimento da cafeicultura. No entanto, muitos destes imigrantes ficavam na capital para atender às necessidades urbanas em expansão.

14Também os migrantes internos pernoitavam na Hospedaria por um ou dois dias, eram submetidos a uma triagem que consistia em verificar seus documentos, suas condições de saúde e o local de destino. Assim, estima-se que no ano de 1939 ingressaram em São Paulo, 100 mil nordestinos e mineiros, estimulados pelo Estado, que colocava seus funcionários para agenciar, nos entroncamentos ferroviários, a mão-de-obra para a lavoura no Centro-Sul. Num primeiro período chegavam também a bordo de “pau-de-araras”, caminhões e em seguida,  dos ônibus. A pesquisa de Estrela (2003) relata essas viagens e esse cotidiano revelando os diferentes percursos, a alimentação, as bagagens, os vestuários e os diversas percalços dessa vinda para São Paulo.

15Após os anos 50, a industrialização se consolida e se internacionaliza. Com a entrada das empresas multinacionais, o fluxo de migrantes orienta-se fundamentalmente em direção às cidades, sobretudo à região metropolitana de São Paulo. O crescimento urbano de São Paulo está relacionado diretamente com o fenômeno migratório, e este com os processos de urbanização e industrialização. O fluxo migratório nacional de maior destaque foi o dos nordestinos para São Paulo. A participação dos migrantes nordestinos, no total de imigrantes “em São Paulo em 1950, era de 27,8%, em 1974 de 49%, em 1982 de 56% e em 1997 de 46%.” (Baptista, 1998). Os estudos4 sobre essa migração apontam o perfil desses migrantes: chegam com pouca escolaridade ou nenhuma; na maior parte das vezes, trabalham na construção civil ou no serviço doméstico, moram em pensões, cortiços ou favelas enfrentando dificuldades de locomoção na cidade grande e sempre sentindo saudades da sua terra.

16O Departamento de Migração e Colonização passa a atuar na capital com o sentido de atender também aos indigentes e aos desempregados. Assim houve uma mudança na política de atendimento ao migrante, como bem disse em entrevista Jordão Neto5: “O problema surgiu quando a migração deixou de ser uma solução para ser um problema (...). O Estado investiu, a economia investiu. No momento em que deixou de ser uma solução para ser um problema, ‘deixou’ de haver os serviços”(sic).

17A recepção aos nordestinos em São Paulo, desde os primórdios até os dias atuais, sempre foi marcada por muita discriminação e preconceito, sendo estigmatizados como “Baianos” ou “Cabeça Chata”, como afirma Maura Pena (1992).

18Os dados do censo demográfico de 2000, divulgados pelo IBGE, demonstram a presença na região metropolitana paulista de 3.641.148 nordestinos que representam 20% da população da população desta. Nossa pesquisa considera a presença nordestina muito além dos migrantes recém-chegados6, levando em conta toda a comunidade nordestina, incluindo os seus descendentes que mantêm, mesmo de forma residual, manifestações desta cultura.

19Os números do PNAD de 20047 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio) apontam um grande fluxo inverso, reforçando a migração de retorno dos nordestinos da metrópole. A pesquisa mostra que, se 400 mil pessoas migraram do Nordeste com destino a São Paulo, 457 mil pessoas migraram de São Paulo para o Nordeste. As pesquisas de Herton Ellery de Araújo8 do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) ilustram o perfil desse migrante que retorna: a maior parte deles têm menos de 45 anos, uma escolaridade média de 7,1 anos. “os nordestinos que vivem em São Paulo nos últimos cinco anos enfrentam taxa de desemprego 18,3 %, praticamente o dobro da média nacional”. Enquanto que os residentes no Nordeste procedentes de São Paulo, enfrentam uma taxa de desemprego 12,5%. Os estudos do IPEA mostram ainda como, em São Paulo, os nordestinos quando empregados, preenchem as vagas com salários baixos. Um terço trabalha na construção civil ou em serviços domésticos e 67% ganham  apenas um salário mínimo9.

20Outras pesquisas mostram ainda a inserção do migrante nordestino na economia informal, que cresce na mesma ordem em que avança o desemprego na Grande São Paulo10. Assistimos diariamente ao aumento de vendedores ambulantes nos semáforos, nas ruas, nas calçadas, nas portas das casas, oferecendo as mais diversas mercadorias.

21Os migrantes nordestinos estão presentes tanto no plano do visível, como do invisível, ocupando os poros da metrópole. Não estão somente nos espaços de aglutinação, concentração, mas aparecem quer na forma do trabalho, quer do não-trabalho no processo de formação da metrópole.

22Nesse contexto da migração de nordestinos para São Paulo, surge a necessidade do migrante de criar novas formas de inclusão na metrópole. É assim que, num segundo momento, um grupo de nordestinos vai criar e se inserir numa dessas formas de inclusão: foi assim que surgiram as vendedoras de café, as “cafezeiras”, do Centro de Abastecimento de São Paulo.

O Centro de Abastecimento e o Mercado de Trabalho

23A sede da CEAGESP (Companhia e Entreposto de Armazéns Gerais do Estado de São Paulo) está localizada na Zona Oeste do município de São Paulo. Desde sua instalação, em 1966, o espaço por ela ocupado vem sendo alterado. O Terminal é o terceiro centro de comercialização de perecíveis do mundo e o maior da América Latina, só perdendo para os terminais de abastecimento de Paris (Rungis) e de Nova York.

24Antigamente, o Centro de abastecimento da cidade, sob administração municipal, funcionava na região cêntrica da cidade de São Paulo. Estudos da época11 explicam essa transferência, que se deveu tanto à dificuldade de circulação causada pelo adensamento do centro, quanto ao aumento da população e à maior entrada de produto. Outro fator preponderante foram as sucessivas enchentes do Rio Tamanduateí que prejudicavam o abastecimento da cidade. Buscou-se, então uma nova área menos adensada e valorizada, ao lado da Marginal do rio Pinheiros, facilitando o acesso dos produtores de alimentos e dos compradores: varejistas, quitandeiros, feirantes, consumidores diretos e proprietários de armazéns, de mercados e de restaurantes. Atualmente, o CEAGESP está sob o gerenciamento do Governo Federal12.

25Nas primeiras décadas de seu funcionamento, o terminal chegou a reunir 75 mil pessoas diariamente, pois a sua centralidade era muito maior que atualmente, não havendo outros terminais espalhados pelo país, como é o caso agora. No entanto, as grandes transformações e o seu declínio acenturam-se após a década de 90, período no qual as grandes redes de hipermercados passam a comercializar também produtos hortifrutigranjeiros, entrando em concorrência com as feiras-livres. Esse processo de modernização da circulação dos alimentos diminuiu o número de feira-livres. O setor dos feirantes constituía o principal comprador do Terminal. Já as redes de supermercados compram, em grande parte, diretamento do produtor, obtendo melhores preços. Esse fato é importante para que possamos compreender a incidência deste fato na redução da atividade das mulheres cafezeiras, como pudemos constatar em nossa pesquisa.

26O Terminal da Vila Leopoldina da CEAGESP funciona em uma área de 700 mil m2 e possui um movimento anual de 2,4 milhões de toneladas de produtos dos mais variados tais como frutas, legumes, verduras, peixes e flores13. Só o Mercado das Flores é responsável pela comercialização de 30 mil toneladas por ano. O Terminal abastece 76% dos comerciantes da Grande São Paulo14, por ele circulam diariamente 50 mil pessoas e uma grande quantidade de veículos, dentre os quais 17 mil caminhões e carros que transportam 10 mil toneladas de frutas e hortaliças15. Os negócios realizados pelos atacadistas giram em torno de R$ 9,5 milhões ao dia16.

27Nesse entreposto ou Terminal de Abastecimento são comercializados os mais diversificados produtos oriundos de 1 475 municípios, de 25 estados brasileiros mas também de outros 11 países: Argentina, China, Espanha, China, Portugal, Uruguai, EUA, Itália, Peru e Canadá, em ordem de importância. Lá funcionam bancos, padarias, lanchonetes, farmácia, cabeleireiro e outros serviços. O entreposto possui até um jornal e uma rádio, além de uma Escola, projeto social para atender as comunidades carentes do entorno. A área do Entreposto pode ser comparada a uma cidade e nela existem os problemas da metropolização.

28No entorno do Centro de Abastecimento existem vários núcleos de populações carentes, tais como favelas ou conjuntos habitacionais cujos habitantes buscam, no Terminal, uma possibilidade de trabalho e de alimentação barata. Além desses núcleos pudemos também constatar a existência de casas de prostituição e uma grande quantidade de moradores de rua. No ano de 2003, a prefeitura realizou um censo e entrevistou 200 moradores de rua que justificavam a sua presença naquela área em função do Terminal de Abastecimento. A partir dessas informações, um albergue foi instalado nas proximidades.

29Esse Terminal da CEAGESP tem por finalidade  principal o abastecimento da metrópole e de outros espaços do território nacional. Embora sendo um grande mercado de alimentos, pouco ou quase nada foi estudado acerca das diversas formas de trabalho existentes nesse local para tornar viável a circulação da mercadoria-alimentos. Portanto, procuramos revelar o papel de Mercado de Trabalho que o Terminal de Abastecimento da Vila Leopoldina representa. Esse mercado de trabalho envolve atacadistas, funcionários dos boxes, funcionários da administração, carregadores, trabalhadores de empresas terceirizadas de limpeza e segurança, sem contar contar os trabalhadores ligados a serviços já mencionados como: agências bancárias, correio, padaria, dentistas, lanchonetes, que também alocam espaços e são considerados permissionários.

30Outras formas de trabalho do “circuito inferior”17 existem de forma organizada como as exercidas por: ambulantes, cafezeiras, carregadores, considerados como trabalhadores autônomos, reconhecidos e cadastrados pela administração da CEAGESP. Além destes  existem igualmente os trabalhadores que estão à margem do reconhecimento, em posição de clandestinidade, sempre buscando escapar à fiscalização. Essa economia invisível que denominamos “circuito inferior”, movimentava diariamente, segundo estimações de 2001, por volta de cinco milhões de reais,18 Um movimento igual ao produzido oficialmente no mesmo período. Se fizermos uma projeção para hoje, o valor poderia alcançar cerca de nove milhões de reais diários. Dessa forma, encontramos trabalhadores que não compõem o “circuito superior”, mas tem uma “certa” regulamentação e os que estão no “circuito inferior” e estão ‘desregulamentados’, encontrando-se portanto, fora do controle do Estado. Em geral, essas atividades são assumidas principalmente pelos migrantes mais descapitalizados.

31A mobilidade encontrada não se refere apenas ao deslocamento espacial, mas existe também em relação à mudança social de alguns antigos carregadores e empregados que se tornaram permissionários. Este processo encontra-se presente nos depoimentos sobre a história do trabalho na CEAGESP. O depoimento de um taxista cearense, com seu linguajar simples ilustra essa mobilidade do trabalho: “Já vi muitos ficarem ricos e muitos quebrarem. Mais gente quebrou aqui do que enriqueceu”. Ele conta que antigos comerciantes não existem mais e que apenas a empresa fundada por estes se mantém: “Pela família, não, mas pelos empregados que roubaram tudo. (risos) Tem um monte de empresa assim, aqui dentro. É sério”.

32Nos trabalhos de campo pudemos identificar esse processo, conversando com alguns atacadistas. A Seção de Economia da Administração da Companhia estima que, ao todo, o Entreposto gera cerca de 15 mil empregos diretos e indiretos. Nesse sentido, considerar o Terminal, também, como um mercado de Trabalho tem a sua razão de ser.

A inserção dos migrantes

33No espaço interno à Companhia encontra-se uma enorme rede social de migrantes nordestinos que se inseriram nas diferentes formas de trabalho, tanto não regulamentado, como regulamentado. A Companhia foi instalada em 1966 na Vila Leopoldina, período em que grandes levas de migrantes nordestinos chegavam a São Paulo à procura de um emprego. Na década de 70 houve uma grande expansão da atividade comercial e da ação da Companhia,. Assim as oportunidades de trabalho no Terminal eram fartas naquele momento e possibilitaram a inserção de um grande número de migrantes, dentre os quais os nordestinos. Por isso, o Entreposto, conhecido pela sua dimensão no setor do abastecimento, é também um grande Mercado de Trabalho.

34Atualmente, pudemos constatar a diversidade de atividades assumidas pelos migrantes nordestinos tanto no circuito superior como no inferior19. A presença maciça dos nordestinos no Terminal é visível entre os carregadores e as cafezeiras assim como em outras atividades do circuito inferior que se expandem no espaço interno deste Entreposto.

35“— Moça Bonita não paga, mas também não leva!!!”. Quem já não ouviu nas feiras–livres frases como essa lançadas aos gritos pelos vendedores, na tentativa de atrair a atenção do freguês? Esse é o primeiro contato que temos com os trabalhadores inseridos no setor econômico que envolve o abastecimento das cidades. Entretanto, essa é uma ponta do iceberg da circulação da mercadoria-alimento e as diferentes formas que os trabalhadores encontram para se inserirem. Existem, aproximadamente 12 mil empregados das 3.800 empresas permissionárias20 que atuam nos diversos espaços administrados no Entreposto, sem contar com os funcionários administrativos da Companhia.

36Nessa pesquisa elegemos os migrantes trabalhadores da CEAGESP que contribuem no processo de circulação da mercadoria-alimento, sendo que estudamos principalmente o trabalhador, que se inseriu no circuito inferior, passou para o circuito superior, e sofreu um processo de precarização, pois esse tende a crescer exponencialmente em tempos de crise. Nas metrópoles, como a Grande São Paulo, o trabalhador migrante se associa basicamente à circulação, pois essa é elástica, possui plasticidade, mesmo que precariamente.

37Nos corredores da CEAGESP encontramos uma grande diversidade de trabalhadores que circulam nos 700 mil m.2 e no seu entorno, eles são: carregadores, cafezeiras, camelôs, “bate-ripas” que encaixotam as mercadorias antes que estas cheguem aos boxes. Lá também se encontram prostitutas, bicheiros, matadores de aluguel. Entre a circulação de homens e mercadorias, selecionamos para esse estudo, as atividades dos carregadores e das cafezeiras. Essa diversidade de formas de trabalhos, assumida pelos migrantes, regulamentados, autônomos ou precarizados que foram ocupando as brechas existentes no mercado de trabalho do Terminal da CEAGESP.

38Existe uma fiscalização e um cadastro da Administração do Entreposto relativos a algumas dessas atividades, entretanto há uma  importante fração desses trabalhadores que permanecem na irregularidade, pois o cadastro é limitado e, além disso, é necessário pagar uma taxa, o que reduz os seus ganhos. Lembremos igualmente que algumas das atividades que estão no circuito inferior são ilícitas como é o caso da prostituição, do jogo e de outras práticas clandestinas. Dados da imprensa de 2001, estimavam em cerca de 350 os ambulantes não cadastrados dentre os quais “cafezeiras”, “pingueiras”21, vendedores de roupas, sapatos, tênis, relógios, etc. De um total de 326 ambulantes cadastrados na Administração do Entreposto, 173 compõem o grupo de cafezeiras que vendem café na área interna do Terminal. Em 2001 eram 246 cafezeiras cadastradas, contudo em 2006 restavam apenas 17322. Essa redução no número de ambulantes cadastrados no Terminal é devida principalmente ao fechamento do cadastro nos últimos anos, pois se alega que há uma saturação na capacidade de absorção dessa atividade. Muitas das cafezeiras, devido à diminuição do fluxo comercial do Terminal, desistiram da atividade.

39Para o ambulante ser cadastrado, é preciso que apresente uma relação de documentos, entre eles o cadastro na prefeitura de São Paulo, que impõe o pagamento de uma taxa municipal, a inscrição no INSS23 e o imposto sindical. O ambulante, a partir de então, passa a pagar uma taxa mensal para a Companhia que varia conforme a atividade – a mais elevada é a do Marmitex, R$ 690, 00, a menor é do taxista R$ 28,75. As cafezeiras pagam o valor de R$ 69,00. Ficam isentos os deficientes físicos, os ambulantes com mais 60 anos e aqueles que estão no terminal há mais de cinco anos ininterruptos. Existe, segundo as informações da administração, um número altíssimo de inadimplentes. Pelas normas,  com dois meses de atraso, o ambulante perde o direito de trabalhar no Terminal. Esses ambulantes devem usar um crachá e vestir um guarda-pó branco. É o porte desse uniforme que diferencia o camelô regulamentado e o não-regulamentado. Assim, a presença do ambulante no terminal é toda normatizada. No trabalho de campo, encontramos várias vezes cafezeiros clandestinos servindo lanches e cafés. Quando fomos visitar o setor de fiscalização, observamos que é rotineira a repressão a esses trabalhadores que fogem do regulamento.

As Cafezeiras regulamentadas e as clandestinas

40Existem no Terminal 3 400 carregadores cadastrados que trabalham como autônomos. A atividade dos carregadores é eminentemente um trabalho masculino, demarcando esse gênero para as funções que exigem esforço físico. Não encontramos nenhuma mulher executando essa tarefa restrita aos homens; às mulheres, cabe a atividade de servir os cafés, são portanto as denominadas “cafezeiras”. Há destarte uma clara divisão do trabalho, segundo o gênero, no espaço do Entreposto. Os homens que com as cafezeiras executam essa atividade, são exceções. Encontramos essas mulheres empurrando seus carrinhos, com garrafas térmicas, e outros acompanhamentos, como lanches. As carregadoras cadastradas vestem um avental branco e seguem as normas estabelecidas pelas empresas, como: não podem comercializar pinga, o carrinho deve ser numerado, etc.

41Essas mulheres, em grande parte são oriundas do Nordeste brasileiro, mormente do Piauí, pois estão ligadas a uma grande rede social que se formou na Companhia, a partir da inserção dos carregadores piauienses24.

42As mulheres que comercializam café no Terminal, podem ser divididas em três grupos distintos: o primeiro é  aquele das cafezeiras cadastradas, o segundo é formado pelas cafezeiras clandestinas e o terceiro, muito inferior  numericamente aos dois primeiros grupos, é constituído por mulheres que comercializam o café, mas também exercem a prostituição.

43Essas cafezeiras, em geral, diversificam suas jornadas de trabalho e os espaços de atuação no espaço interno do entreposto. Elas acompanham os horários de funcionamento do mercado: o Mercado do Peixe funciona nas madrugadas, quase diariamente, o Mercado das Flores, das 2:00 horas até às 10:00 horas de terças e sextas-feiras, os setores da Batata, Legumes e Frutas, funcionam de segunda a sábado, durante todo o dia. Em qualquer horário, encontramos essas mulheres empurrando seus carrinhos com as garrafas térmicas.

44As cafezeiras cadastradas têm uma associação e um espaço alocado para dar apoio a esse trabalho, e onde também preparam o café. Cada unidade de café custa o valor de setenta e cinco centavos e seus rendimentos variam de acordo com a quantidade de cafés servidos por dia. As mais antigas cafezeiras conseguiram acumular um pecúlio: como casa própria, automóvel, casa de aluguel. Essas cafezeiras vendem o café tanto de forma avulsa, como também comercializam todos os dias garrafas térmicas cheias de café, junto aos atacadistas. Uma das cafezeiras25, uma piauiense do município de Pio IX, fornece aproximadamente quarenta garrafas térmicas para determinados atacadistas; ela cobra o valor de R$ 4,00 a R$ 5,00 por cada garrafa térmica. Isso representa um rendimento diário de R$ 200,00, unicamente através do fornecimento das garrafas térmicas. Devemos considerar os custos  ocasionados por essa atividade, como as diversas taxas pagas como impostos, cadastro, Previdência Social e o custo para a produção do café. De modo geral, os rendimentos das cafezeiras que fornecem café para os permissionários, atacadistas26 são melhores do que os daquelas que vendem apenas o cafezinho avulso.

45Essas mulheres passam o dia todo empurrando carrinho, disputando espaço com os carregadores e compradores em corredores estreitos, reservados para a circulação entre os boxes de flores, frutas, legumes, pescados,... . Trata-se de um trabalho pesado: - “...Tem outra que não pode nem andar, com o joelho desse tamanho, assim inchado, de empurrar carrinho...” (carregador). Essa atividade gera problemas de saúde como varizes, ocasionado pela permanência de pé por muitas horas. Segundo a médica do Sindicato dos Carregadores que atende também as cafezeiras, existe uma grande incidência de problemas cardíacos entre essas mulheres, gerados pela alimentação gordurosa, típica da culinária nordestina, pelo tabagismo e pelo estresse.

46A clientela das cafezeiras é formada pelos atacadistas, carregadores, funcionários dos boxes e em seguida  pelos compradores do Terminal. Segundo o setor que atendem, os fregueses podem ser feirantes, distribuidores ou pessoas que compram no varejo. Há também um grande número de caminhoneiros que passam o dia no entreposto, tanto para descarregar como para carregar, que consomem os cafezinhos dessas mulheres ambulantes que circulam pelo terminal. Os compradores mais capitalizados preferem tomar o café nos quiosques, lanchonetes e padarias espalhadas pelo Centro de Abastecimento.

47Essas mulheres que comercializam o café podem ser tanto senhoras de certa idade, como jovens. Observamos entre as cafezeiras cadastradas, um maior número de senhoras do que de jovens, enquanto as clandestinas apresentam as mais diversificadas idades. Outra característica dessas mulheres é o baixo nível de escolaridade, pois a atividade não exige qualificação, possibilitando a inserção dessas mulheres no mercado de trabalho.

48Alguns carregadores que entrevistamos possuem algum vínculo familiar com as cafezeiras, que podem ser esposas, irmãs ou mães. Entretanto, uma parcela dos homens responderam na entrevista, que suas mulheres não devem trabalhar fora de casa e muito menos no Entreposto. O nosso ponto de partida para essa investigação foram os carregadores, através dos quais chegamos à problemática que vivenciam as cafezeiras em um território masculino. Vejamos essa justificativa: “A maioria são meio machista. Então acontece, assim, eu tirei ela daqui e não quero que ela volte mais. Não é por mal. Eu tenho medo dos amigos zuá”27( sic - carregador do Piauí).

49As dificuldades maiores são para as mulheres que não conseguiram se cadastrar e trabalham em uma condição de clandestinidade. Elas não seguem as normas e o padrão estabelecidos pela Companhia e portanto, são facilmente identificáveis. O preço do café avulso de uma cafezeira cadastrada sai por R$ 0,75, enquanto a clandestina cobra o valor de R$ 0,50, o que acarreta uma concorrência entre essas mulheres. As clandestinas podem utilizar carrinhos de feira para transportar as garrafas térmicas, dentro de sacolas, algumas usam veículos muito antigos como apoio e expõem os lanches e o café nos porta-malas, outras carregam isopor. Trata-se assim de uma situação de total informalidade. Segundo depoimentos de carregadores, essas trabalhadoras algumas vezes são confundidas com as prostitutas que circulam nos mesmos locais e passam por situações muito incômodas:

É mais as clandestinas que os caras fazem o quer, porque sabe que é clandestina, fica passando a mão, né? Fica se humilhando pra vender cafezinho dela. Agora, agora quando você tem o documento... Vem o fiscal, eu não vou correr. Se elas vêem os fiscais, ela tem que correr, mesmo, toma as garrafas. Ela não pode falar nada, que ela é clandestina.  (carregador, filho de cafezeira)

50A própria condição da clandestinidade coloca-as em uma condição social de constantes constrangimentos, têm que estar sempre em alerta para não cair na rede da fiscalização e sem condições de requer nenhum direito. Tal é a rotina dessas mulheres, outros depoimentos confirmam vêm confirmar:

Sabe como é que é? O homem sempre fazendo aquelas piadinhas, né? E Tal.. Tem delas aqui que ...até uma que jogou café quente nos caras, aí. Os caras fizeram troça e elas não gostaram e...se defendeu (carregador da Bahia).

51Nos dias em que foi efetuado nosso trabalho de campo, pudemos assistir diversas vezes a esse tipo de situação: os homens, em voz alta, rindo e soltando piadas, buscam chamar a atenção dessas mulheres que carregam nas mãos as garrafas térmicas.

A prostituição e a pratica da rifa

52Um livreto de cordel do cearense Abraão Batista (1991), tem por título: Ana Paula, a jovem que se rifou para ir morar em São Paulo. Esse fato, que a literatura de cordel registra, teria ocorrido em Juazeiro do Norte, entre agosto e começo de setembro de 199128. A partir desses elementos a nossa hipótese é que a prática da rifa tenha migrado do Nordeste para a grande metrópole, e  que se tenha mantido por um bom tempo nos corredores do CEAGESP.

53Era muito comum que as mulheres prostitutas rifassem o próprio corpo; ofereciam para os carregadores, para os atacadistas, e todos os homens que circulavam no entreposto, um número, que corria pela Loteria Federal. O prêmio dava direito a passar uma noite em um motel com direito a jantar e a “companhia” da mulher que estava se rifando. Era o único lugar conhecido pelos nordestinos onde existia esta forma de prática de prostituição em São Paulo. Após o ano de 2000, essa prática foi paulatinamente desaparecendo e já não se ouve mais falar dessas rifas, apenas de prostituição nos moldes tradicionais.

54Alguns depoimentos apontam que a atual gestão da Companhia29 determinou a repressão a  esta prática e isso foi um dos fatores responsáveis pelo desaparecimento das rifas de mulheres. Devemos lembrar que esse período também foi marcado por uma forte migração de retorno. Essa prática da rifa, documentada no cinema e nos cordéis, é utilizada como uma das estratégias das mulheres para conseguirem a passagem de ônibus necessária migrar. A diminuição da rifa de mulheres no Entreposto está relacionada também com diminuição de oportunidades de trabalho em São Paulo e a necessidade do retorno para a área de origem.

55Atualmente, o mais comum é encontrarmos no entreposto rifas de motos e de carros. Os que praticam esta atividade são homens, chamados de rifeiros, que atuam na CEAGESP. Há também uma grande número de outros jogos nesse local. Observamos ao longo do dia em todo terminal e particularmente no das frutas, muitas pessoas trabalhando com o jogo-do- bicho, e em especial muitas mulheres. Elas se concentram em determinados locais como nos quiosques e nas oficinas de carrinhos dos carregadores, para anotar as apostas. Essa atividade, não exige nenhuma dificuldade de inserção, possibilitando uma grande absorção de desempregados da metrópole.

56O Terminal é um local onde ocorre ainda a prática da prostituição,  que muitas vezes passa despercebida dentre as 50 mil pessoas que circulam todos esses dias nessa área. Essa atividade é mais concentrada no setor da fruta do que em outros setores, conforme apontam os depoimentos e fatos que pudemos observar em campo. Outro indicador dessa prática são as várias casas de prostituição nas proximidades do Terminal e da Estação Ferroviária da Vila Leopoldina.

57O “submundo” do roubo e das drogas revelou-se à medida em que a pesquisa foi desenvolvida e informações da imprensa escrita30 atestam que na Companhia há pessoas que furtam caixas e revendem-nas por centavos. Há outros tipos de delitos, segundo os carregadores, como o roubo de dinheiro de que são vítimas os clientes da Companhia,  já os carregadores sofrem roubo de automóveis e de motos. Mas o que mais nos chama a atenção são as apreensões, realizadas pela Polícia Federal, de caminhões que chegam à CEAGESP31 transportando drogas. A Companhia é  um dos ponto da rota do tráfico de drogas e assim, nessa parte da metrópole, vão-se compondo os múltiplos territórios e consolidando-se o território dos traficantes. Nessa multiplicidade metropolitana, estilhaços aparecem ferindo e cortando as relações de conterraneidade.

58Existem muitos homens foragidos da polícia que trabalham prestando serviço informal, pois não lhes é exigido um Atestado de  Bons Antecedentes para poderem circular. Nas histórias do Centro de Abastecimento, não se pode deixar de chamar a atenção para as  dos “matadores de aluguel”, que por lá circulam. A imprensa afirma nos jornais que, nos arredores do Entreposto, a atividade desenvolve até propaganda. A divulgação do serviço chega a ser feita com cartão de visitas; o profissional apresenta-se como “investigador”32. Segundo os dados da Secretaria de  Segurança Pública33, nos anos de 2004 e 2005 foram registradas, na Vila Leopoldina, mais precisamente na região do Terminal, 17 ocorrências de homicídio por ano, de forma distinta do restante da cidade, onde esses números sofreram redução34. É nesse contexto, sob o temor da violência - que paira nesse espaço masculinizado- de concorrência e conflitos, que trabalham as mulheres que comercializam café.

Considerações

59Pudemos constatar, na área do Terminal, um espaço de grande concorrência entre as cafezeiras cadastradas e as clandestinas. As mulheres que conseguiram o cadastro cobram da fiscalização eficiência na repressão à concorrência, pois há uma competição pelo cliente e as cadastradas se sentem lesadas pois pagam taxas que, se as deixam em uma condição de trabalhadoras regulamentadas, por outro lado representam encargos. Enquanto que as não-cadastradas representam a concorrência, que reduz os seus rendimentos de forma desigual, pois as clandestinas vendem o café mas arcar com taxas.

60A existência do estigma da prostituição que afeta a todas as mulheres que comercializam o café, é na verdade, por parte dos homens, uma manifestação do preconceito que carregam em si, um resíduo do machismo da área de origem, machismo esse que migra para o espaço masculinizado do Terminal. Muitos desses homens, que fazem funcionar a prostituição, são os mesmos que se opõem à possibilidade das próprias mulheres trabalharem fora de casa35.

61Apesar da grande quantidade de mulheres que trabalham na clandestinidade, o número de cafezeiras regulamentadas vem apresentando uma redução. Esse dado é o reflexo da diminuição de possibilidade de trabalho no Terminal, pois esse Centro de Abastecimento sofreu, nas últimas décadas, um declínio do seu fluxo comercial gerado pela descentralização do abastecimento. A modernização do abastecimento levou à redução das feiras-livres, do comércio tradicional de hortifrutigranjeiros, que foi ocupado pelos supermercados. Assim, essas mulheres migrantes sofrem com o desemprego da metrópole da Grande São Paulo, sofrem com a redução de trabalho e com o aumento das clandestinas que, mobilizadas pelo capital, buscam a qualquer preço, a sua inserção.

Inicio de página

Bibliografía

ALBUQUERQUE JR. Durval Muniz, “Paraíbas e Bahianos: órfãos do campo filhos legítimos da cidade”, Travessia, São Paulo, Centro de Estudos Migratórios, São Paulo num. 8, set./dez, 1990, p. 27–32.

ANDRADE Margarida Maria de, “Brás, Moóca e Belenzinho – ‘bairros italianos’ na São Paulo Além-Tamanduateí”, Revista do Departamento de Geografia, FFLCH – USP, São Paulo, v. 8, 1994, p. 97-102.

BATISTA Abraão, Ana Paula, a jovem que se rifou para ir morar em São Paulo, Literatura de Cordel, Juazeiro do Norte, 1991.

BAPTISTA Dulce M. T., “Nas Terras do “Deus Dará”- Nordestinos e suas redes sociais em São Paulo”, tese de Doutoramento em Ciências Sociais, São Paulo, PUC, 1998.

BISON Wanderluce Pessoa, “A Volta por Cima – mulheres migrantes entre o Vale do Jequitinhonha e São Paulo”, dissertação de Mestrado em Geografia, Departamento de Geografia da FFLCH, USP, 1995.

BOSCO Santa Helena e Antonio Jordão Neto, Migrações: estudo especial sobre as migrações internas para o Estado de São Paulo e seus efeitos, São Paulo, Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo, 1967, p. 1- 40.

CEM - Centro de Estudos Migratórios, Nordestinos, Cadernos de migração, v. 2, 1988.

DURHAN Eunice, A Caminho da Cidade, São Paulo, Ed. Perspectiva, 1973.

ESTRELA Ely S. Os Sampauleiros do Alto Sertão da Bahia (Cotidiano e Representações), São Paulo, Humanitas, Educ., Fapesp, 2003.

GAUDEMAR Jean Paul de, A Mobilidade do Trabalho e Acumulação do Capital, Lisboa, Editora Estampa, 1977.

HAESBAERT COSTA Rogério, “Desterritorialização: entre as redes e os aglomerados de exclusão”, in Geografia: Conceitos e Temas, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1995, p.165-205.

MARTINS José de Souza, “O Problema das Migrações no Limiar do Terceiro Milênio”, in O Fenômeno Migratório no Limiar do 3o Milênio, Petrópolis, Ed. Vozes, 1998, p.19-34.

MENEZES Marilda Ap, “Trabalho por Conta Própria: sonho dos migrantes”, Travessia, São Paulo, CEM, n. 8, 1990, p. 22-26.

MIGUEZ Eduardo, “Microhistoria, redes sociales e historia de las migraciones: ideas sugestivas y fuentes parcas”, in María Bjerg e Hernán Otero (eds.), Inmigracion y Redes Sociales en La Argentina Moderna, Tandil, CEMLA –IEHS, 1995, p. 23-34.

OLIVEIRA Francisco de, Elegia para uma Re(li)gião, 3ª edição, Rio de Janeiro, Ed. Paz e Terra, 1981.

PENNA Maura, O Que Faz Ser Nordestino: identidades sociais, interesses e o “Escândalo Erundina”, São Paulo, Cortez, 1992, p.1-113.

PÓVOA NETO Helion, “Migrações Internas e Mobilidade do Trabalho no Brasil Atual. Novos desafios para a análise”, Experimental, n. 2, 1997, p. 11 - 24.

RAMELLA Franco, “Por un uso fuerte del concepto de red en los estudios migratorios”, in María Bjerg e Hernán Otero (eds.), Inmigracion y Redes Sociales en La Argentina Moderna, Tandil, CEMLA –IEHS, 1995, p. 9-21.

RAMIRES Francisco, “Severino na Metrópole”, dissertação de Mestrado em Ciências

Sociais da FFLCH da USP, São Paulo, 2001.

REALE  Ebe, Brás, Pinheiros, Jardins – Três bairros, três mundos, São Paulo, Edusp,

1982.

ROSSINI Rosa Ester, “A Alface em São Paulo: Aspectos de seu Abastecimento na

Capital”, Geografia Econômica, n. 8, São Paulo, Instituto de Geografia, USP,1971.

SANTOS Milton, O Espaço Dividido, São Paulo, Francisco Alves, tradução de Myrna T. R. Viana, 1979, p. 23 –54.

SEABRA Manoel, “Abastecimento da cidade de São Paulo em gêneros alimentícios”,

Geografia Econômica, n.1, São Paulo, Instituto de Geografia, USP, 1966.

SINGER Paul, Economia Política da Urbanização, 1973, 12º edição, São Paulo, Ed. Brasiliense, 1990.

VAINER Carlos B., “Estado e Migrações no Brasil – anotações para uma história das políticas migratórias”, Travessia, n. 36, jan.-abr., 2000, p.15-32.

WOORTMANN Klaas A. W., “A Família Trabalhadora”, Série Antropologia, n. 40, Mimeo, Brasília, 1984, p. 69 –87.

Inicio de página

Notas

1 O território brasileiro pode ser regionalizado em três grandes regiões Geoeconômicas: Nordeste, Centro-Sul e Amazônia. As regiões oficiais do Instituto de Geografia e Estatística do Brasil são: Nordeste, Centro-Oeste, Sul, Sudeste e Norte.
2 Presidente da República que instituiu o Salário Mínimo, em 1940.
3 Segundo Reale (1982) a hospedaria passa a abrigar 2.000 pessoas. O Catálogo publicado pelo Memorial do Migrante (1997) afirma que sua capacidade é para receber 3.000 pessoas. “Em ocasiões especiais chegou a abrigar até 8.000 de uma só vez.” (p. 5)
4 Bison (1995), Baptista (1998), Estrela (1999).
5 Em entrevista concedida ao grupo de estudos migratórios em 18 de agosto de 1995, em que eu estava presente.
6 O IBGE considerou em sua coleta da informação, pessoas não residentes no município em 1º de janeiro de 1991 com quatro anos ou mais de idade, para o censo de 2000.
7 Fonte: Folha de São Paulo, 23 de abril de 2006.
8 Fonte: Folha de São Paulo, 23 de abril de 2006.
9 Fonte: Salário Mínimo: R$ 350,00, 23 de abril de 2006.
10 Cf. Ramires, 2001.
11 Seabra (1966) e Rossini (1971).
12 Na gestão estadual de Mário Covas (1994-2002), a Companhia foi entregue ao governo federal como parte do pagamento das dívidas do Estado de São Paulo, cabendo a este, no entanto, o gerenciamento da Companhia.
13 O chamado Mercado das Flores é visitado, também, por turistas por conta da sua beleza.
14 Pesquisa de 2005 do Controle de Qualidade em Horticultura /CEAGESP.
15 Fonte: Folha de São Paulo, 31 de março de 2002.
16 Cada $ 1,00 vale R$ 2,09 em fevereiro de 2007.
17 Cf.Santos (2004).
18 Fonte: Folha de São Paulo, 18 de novembro de 2001.
19 Santos (2004).
20 Fonte: Folha de São Paulo, 18 de novembro de 2001.
21 Comércio de bebidas alcoólicas.
22 Fonte: Folha de São Paulo (2001) e Administração do CEAGESP (2006).
23 Instituto Nacional de Serviço Social, relativo à Previdência Social.
24 O Estado do Piauí apresenta um dos menores índices de Desenvolvimento Humano. No território brasileiro a média nacional do I.D.H é de 0,527, enquanto que no Piauí, o I.D.H. é de 0,213, conforme os dados de 2000.
25 Ela é irmã do Presidente do Sindicato dos Carregadores, e têm uma parte de sua família trabalhando na CEAGESP como sobrinhos, filho e irmãos.
26 Conforme a CEAGESP são 3 800 permissionários.
27  Zoar – Zuá ( na pronúncia nordestina, é uma gíria que quer dizer fazer brincadeiras de mal gosto com uma pessoa.
28 No ano de 2006, as telas do cinema exibiram um filme denominado O céu de Suely, direção de Karim Ainouz, que retrata essa experiência da rifa como uma estratégia para migrar.
29 Gestão do Governo Federal assumida pelo Partido dos Trabalhadores, cujo presidente é Luiz Ignácio Lula da Silva.
30 Cf. Folha de São Paulo, 18 de novembro de 2001.
31 Em novembro de 2002, a imprensa televisiva, Jornal nacional noticiou que a polícia apreendeu um caminhão cheio de cigarros, comercializando de forma clandestina.
32 Folha de São Paulo, 18 de novembro de 2001.
33 Fonte: Jornal da Gente, 4 a 10 de fevereiro de 2006.
34 Esse quadro permaneceu durante o ano 2006 e já houve um assassinato em janeiro de 2007. Acompanhamos os últimos assassinatos envolvendo migrantes piauienses que trabalhavam com atividades clandestinas no Terminal.
35 Uma outra parte dos carregadores em entrevista defendem as cafezeiras e se dispuseram esclarecer melhor o processo do estigma da prostituição. Todos afirmavam que havia algumas que usavam a dupla prática do comércio do café e da prostituição, estas estavam presentes no grupo das clandestinas.
Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Sueli de Castro Gomes, « A mobilidade do trabalho na metrópole: as mulheres cafezeiras no centro de abastecimento da cidade de São Paulo », Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM [En línea], 14 | 2007, Publicado el 26 agosto 2008, consultado el 23 agosto 2017. URL : http://alhim.revues.org/2052

Inicio de página

Autor

Sueli de Castro Gomes

Universidade de São Paulo (Brasil)

Inicio de página

Derechos de autor

Licencia Creative Commons
Amérique latine Histoire et Mémoire está distribuido bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.

Inicio de página
  • Logo Université Paris 8 - Vincennes Saint-Denis
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org