Skip to navigation – Site map
Quand la Nation se célèbre ailleurs

Antologizando a Nação: antologias literárias brasileiras, identidade e ideologia no Estado Novo (1937-1945)

Paula Candido Zambelli

Abstracts

The anthology genre in Brazil has evolved alongside the construction of a national identity since the 19th century. Originating from undifferentiated editorial objects such as parnasos, florilégios and seletas, in the 20th century anthologies went through a consolidation and specialization driven by the development of a national education, of an editorial market, and, during the Estado Novo (1937-1945), of state policies. Four anthologies, academic and not, from this period were analyzed from the perspective of the complex relationship established between the text and the paratext in this genre. The official project of a rebuilding of the national identity, led by the Ministry of Education and Health, is reflected both in the selection of the literary excerpts anthologized and in the textual apparatus designed to contextualize them. This new entity, characterized by a strong intratextuality, forms a sort of anthological mosaic cemented by the discourse of the nation, thus revealing more about its own time than about a past it pretends to illustrate.

Top of page

Full text

Introdução

1O estudo da evolução do gênero antológico no Brasil coloca em evidência as relações entre as antologias literárias e as consecutivas etapas da construção e reformulação da identidade nacional, desde o século XIX. Os parnasos e florilégios oitocentistas, denominações então correntes da forma antológica, participaram da consolidação da literatura brasileira a partir da independência política do país, em 1822, fixando seus cânones coloniais e românticos.

2A popularização do gênero e do termo “antologia” são fenômenos do século XX. O período Vargas, notadamente o Estado Novo (1937-1945), é o ponto fulcral dessa evolução, em virtude das reformas educacionais promovidas pelo Estado, do desenvolvimento do mercado editorial e, sobretudo, do conhecido projeto de modernização e de reformulação da identidade nacional colocado em prática a partir de 1930.

3O presente trabalho baseia-se na leitura da legislação educacional do Estado Novo e na análise de quatro antologias em circulação durante o período. Elas são representativas da heterogeneidade característica da forma antológica e têm em comum a circulação nacional, a grande longevidade e as sucessivas edições e reimpressões: Antologia Contemporânea (Brandão, 1931), Antologia Brasileira (Serrano, 1943), As Obras-Primas do Conto Brasileiro (Barbosa e Cavalheiro, 1943) e Antologia dos poetas brasileiros da fase romântica (Bandeira, 1937). Com base na análise desse corpus e dos textos oficiais, pretende-se examinar as relações entre antologias literárias, discurso identitário e ideologia no Estado Novo, discutindo-se a instrumentalização desse objeto editorial pelo Estado no sentido de promover, ou celebrar, em permanência, a Nação.

Noções e caminhos do gênero antologico no Brasil

4As definições de antologia e a afirmação da existência de um gênero antológico variam de acordo com os paradigmas adotados. Estudos que se concentram nas condições de produção do objeto editorial identificam as antologias em função de sua economia (Everett e Marcotte, 2010: 8) e da presença do aparato textual que acompanha o fragmento literário: “[les critères d'organisation et] l'importance du péritexte constituent les principaux éléments de définition de l'anthologie et la différencient des autres formes” (Fraisse, 1997: 95). Reflexões pautadas no universo da leitura abordam o objeto pelo viés da reescrita e da mediação: “La antología es una forma colectiva intratextual que supone la reescritura o reelaboración, por parte de um lector, de textos ya existentes mediante su inserción en conjuntos nuevos” (Guillén, 2007: 2). Considerando essa variedade e colocando em primeiro plano a questão da intencionalidade, Baubeta afirma – concisa mas abrangentemente – que: “an anthology is defined as a compilation of self-standing poems or short stories, deliberately selected and organised in such a way as to serve the editor’s purpose” (Baubeta, 2007: 34). Independentemente das oscilações, noções como fragmentos, cânone, tradição, história literária, são sistematicamente evocadas nas considerações sobre esses objetos multiformes.

Ação antológica

5Cotejando definições, parece lícito considerar as antologias em dois aspectos isolados: primeiramente, o de objeto editorial e, em segundo, o que se pode chamar de sua ação antológica – encadeamento dos gestos de seleção, organização e contextualização do fragmento literário, em toda sua intencionalidade. Se o primeiro aspecto varia a ponto de comprometer o conjunto de traços comuns necessários à existência de um gênero antológico, o segundo, da ação antológica, é uma constante identificada nas antologias modernas, tanto na Europa quanto na América Latina, onde houve total convergência entre tal ação e a consolidação dos Estados nação oitocentistas. As sutilezas e intencionalidades dos projetos antológicos e suas constâncias é que permitem vislumbrar-se as características fundamentais de um gênero antológico.

6A questão da seleção deixa claro que “nada es inocente en una antología, ya que toda presencia implica una ausencia” (Palenque, 2007: 3). Ancorado nas convicções do presente, o antologista extrai fragmentos textuais do passado de seus contextos, rearranja-os, oferecendo às gerações presentes e futuras uma visão filtrada e condicionadora do passado, com motivações nem sempre perceptíveis e, por isso, polêmicas e potencialmente perigosas. A maneira de ordenar o material selecionado, inspira a questão: “¿ Hasta quel punto las piezas singulares de una antología se integran en un conjunto?” (Guillén, 2007: 2). Antologias formam, em sua grande maioria, todos coerentes cuja organização atesta certas atitudes e posturas: face à história e sua relação com a literatura, à autoria, ao julgamento estético. De todos os sentidos que a organização pode denotar, contudo, o nacional é o mais comumente encontrado no gênero antológico. A última faceta da ação antológica é a decisão de como e do quanto processar crítica e historicamente os fragmentos textuais. Através dela, percebe-se o imbricamento dos discursos estético-literário, histórico, pedagógico e ideológico tão característico das antologias, que lhes confere a grande particularidade de serem portadoras de uma certa ideia de literatura (Fraisse, 1997: 9).

7A união de tempo, fragmento e memória pressupõe o museu, e com ele, a galeria e o cânone:

las antologías crean muchas veces grupos, escuelas o generaciones, concepto este último hoy en entredicho y casi obsoleto por haber sido usado (como las antologías) para dejar en tierra de nadie tantos nombres. Quedar fuera o dentro de las antologías y ser incluido o no encajar en los límites de una generación equivale al ser o no ser, a llegar a los lectores o ser un desconocido, un marginado. (Palenque, 2007: 3)

Evolução do gênero antológico no Brasil

8O estudo das práticas ligadas ao gênero antológico, no Brasil, entre a publicação do primeiro Parnaso Brasileiro, em 1829, e sua consolidação a partir do início da era Vargas, mostra que

a literatura brasileira adquire público com os parnasos e florilégios oitocentista […]. Desde então, a antologia tornou-se, no Brasil, o exame da crítica. Poetas, estudiosos de literatura e críticos literários procuraram dar, através de suas escolhas, recuperações e exclusões, interpretações pessoais ou de escola sobre um patrimônio literário ainda suscetível de novas interpretações. (Stegagno-Picchio, 2004: 61)

9O século XIX foi marcado pela indiferenciação do gênero antológico e das histórias literárias propriamente ditas. Contemporâneos da Independência (1822), os chamados parnasos fundacionales (Achugar, 1997) reproduziram sistematicamente o mesmo gesto: compilar fragmentos literários conhecidos e inéditos que pudessem ilustrar a poesia de um passado colonial que se ajustasse à imagem da pátria livre de então, constituindo um repositório da tradição literária nacional. O processo de diferenciação entre os gêneros iniciou-se com a publicação da História da Literatura Brasileira de Sílvio Romero, em 1888, e da Antologia Nacional (Barreto e Laet, 1895), primeira a ostentar o termo “antologia” no título. O termo era novo, mas seu par – o adjetivo pátrio – era o mesmo herdado dos românticos. Assim, nas primeiras décadas do século XX, o binômio e suas variantes tornaram-se onipresentes nos títulos das publicações do gênero.

10O relevante aumento do volume de antologias publicadas no início do século XX foi acompanhado por um processo de especialização. Além das numerosas antologias escolares, foram publicadas antologias voltadas para o grande público como Poetas brasileiros (Oliveira e Jobim, 1921), além das primeiras antologias de contos ou antologias do folclore brasileiro. Um traço fundamental dos projetos antológicos das primeiras décadas é o fato de antologistas passarem a ler o passado literário não mais na intenção de descobrir ou revelar uma herança, mas, sim, de depurar o cânone estabelecido no século anterior. Contudo, seja entre os românticos ou entre os modernos, parece válida para o caso brasileiro a afirmação de que “generalmente el nacionalismo, o sencillamente la necessidad que siente une cultura de erigir sus propios cánones y autoridades, ha sido un motor principalíssimo de las antologías” (Guillén, 2007: 2).

Antologias e a pedagogia do nacional no regime Vargas

11O vasto corpus teórico dedicado aos processos de criação das identidades nacionais no Ocidente (Thiesse, 2001; Anderson, 2006) atribui um papel privilegiado à literatura tanto na construção identitária quanto na difusão das tradições e na pedagogia dos valores comuns responsáveis pelo sentimento de pertencimento nacional. Sabe-se que as antologias literárias podem constituir verdadeiros observatórios do fato literário (Fraisse, 1997: 9) e, por conseguinte, da construção identitária. A complexidade da forma antológica, apresentada através do cruzamento de discursos que a caracteriza, faz com que as antologias veiculem, cingida ao fragmento literário, uma certa ideia de literatura, de tradição, de identidade, de pertencimento, e, por fim, de Nação.

12Apesar das oscilações ideológicas ocorridas no decorrer do regime, o projeto varguista baseava-se na renovação e na modernização de todas as áreas da vida nacional, o que pressupunha a refundação da Nação e da identidade. A nova identidade tinha por base: a reabilitação do elemento africano e a miscigenação, que foram transformados em referentes identitários e autorizados a participar do mito fundador; a valorização do interior vasto e desconhecido do Brasil e do herói popular; e a fixação da língua nacional, através da campanha de nacionalização (Seyferth, 1999) e da criação do Instituto Nacional do Livro.

Antologias e escola

13A gestão do ministro Gustavo Capanema na Educação e Saúde é um elemento fundamental da consolidação desse projeto. Suas medidas foram responsáveis por alçar o ensino da literatura nacional a um patamar inédito.

14A escola é um espaço privilegiado para a formação do cidadão, para a inculcação de valores e projetos coletivos, para a cristalização das consciências identitária, além de ser lugar de culto da memória coletiva e da história nacional (Gomez, 2005: 5). Se durante a Primeira República (1889-1930) essa função encontrava-se diluída pela falta de centralização, na República Nova, “os componentes ideológicos passam a ter uma presença cada vez mais forte na vida política e a educação seria a arena principal em que o combate se daria” (Schwartzman e Bomeny, 2000: 51).

15A uniformização dos programas das disciplinas sugere a consciência do reformador acerca do papel desempenhado pela literatura na formação e na aprendizagem da identidade nacional, pois 6 horas semanais passaram a ser dedicadas à matéria com objetivo de:

dar conhecimento aos alunos do que há sido a atividade humana no imenso campo do pensamento, manifestada pelas obras literárias de toda natureza ; preparar e educar o espírito dos alunos para a apreciação inteligente e crítica dos fatos literários ; elevar o nível de cultura literária que o aluno deve trazer do curso fundamental, despertando-lhe o gosto pela boa leitura e estimulando os pendores aproveitáveis que nele porventura se revelem ; auxiliar, na medida que as circunstâncias permitirem, o ensino das outras matérias, especialmente no tocante às línguas e às ciências sociais. (Ministério da Educação e Saúde, 1936: 5792)

16A lei determina o método e o material de ensino a ser utilizado, com destaque para as antologias, às quais se refere nomeadamente em mais de uma passagem: “Especial relevo se dará à leitura de excertos das principais obras, quer colhidos no original, quer em antologias” (Schwartzman e Bomeny, 2000: 51). O programa estabelece, ainda, um cânone preciso, tanto universal quanto brasileiro, de predominância romântica, reiterando os mitos fundadores estabelecidos pela geração oitocentista.

17A partir de 1938, as antologias escolares passaram a depender da regulação da Comissão Nacional do Livro Didático, que proíbe o emprego de livro didático que:

[...] atente contra a unidade, a independência ou a honra nacional; [...] contenha pregação ideológica ou indicação da violência contra o regime político adotado pela Nação; [...] despreze ou escureça as tradições nacionais, ou tente deslustrar as figuras dos que se bateram ou se sacrificaram pela pátria; [...] encerre qualquer afirmação ou sugestão, que induza o pessimismo quanto ao poder e ao destino da raça brasileira. (Ministério da Educação e Saúde, 1939: 277)

18Em 1942, a Reforma Capanema promulgou as Leis Orgânicas do Ensino que insistiram no caráter patriótico do ensino e, apesar de ter diminuído o peso do ensino da literatura nos programas (Schwartzman e Bomeny, 2000), continuou determinando um método de ensino – o da leitura de fragmentos literários – e um cânone, num gesto que coloca a ação antológica na base da transmissão e da inculcação da identidade desejada.

Antologias e política cultural

19A política cultural foi outro componente importante da pedagogia do nacional. A conhecida adesão de parte da intelligentsia brasileira ao projeto de Capanema é objeto de um consenso de que os intelectuais, funcionários públicos ou não, tinham dificuldade de sobreviver fora das áreas de influência do Estado, que se configurava, também, como um grande mecenas, e de que a grande maioria dos escritores teve algum grau de participação no projeto de reformulação cultural (Poncioni, 2005: 159; Mineli, 1980, 1996).

20Esse foi o caso do poeta Manuel Bandeira, cuja vasta correspondência e as memórias testemunham sua proximidade de Capanema. Em 1936, Bandeira foi encarregado de organizar uma antologia dos poetas românticos, a ser publicada pelo Ministério no contexto das comemorações do centenário do Romantismo. No livro em questão, Antologia dos poetas Brasileiros da Fase Romântica, lê-se:

Esta obra, comemorativa do centenário da publicação dos « Suspiros Poéticos e Saudades », foi mandada publicar sob os auspícios do presidente Getúlio Vargas, pelo Ministro Gustavo Capanema, e faz parte a coleção de antologias que o Ministério da Educação vai publicar. (Bandeira, 1937: 5)

  • 1 Em carta de 6 de março de 1936 destinada a Mário de Andrade (Moraes, 2001: 621), Manuel Bandeira re (...)

21Capanema encomendara cinco antologias que representassem o conjunto da tradição literária brasileira, “obras de divulgação instrutiva”1, das quais Bandeira aceitou organizar a dos românticos e a dos parnasianos. Essa ação, em conjunto com a ampla atividade do Instituto Nacional do Livro, foi responsável pela popularização do gênero antológico junto ao grande público.

O mosaico antológico e a celebração da Nação

22A relação estabelecida entre fragmentos textuais e categorias paratextuais é fundamental para a compreensão do gênero antológico, uma vez que a própria noção de texto sofre, nas antologias, deslocamentos importantes. A antologia, como forma editorial, “soulève [...] la question du statut des textes qu'elle rassemble et produit” (Fraisse, 1997: 3). Seu texto é, ao mesmo tempo, o conjunto de fragmentos textuais que ela agrupa, reescritos, com sua nova unidade e intratextualidade, e algumas categorias normalmente associadas ao paratexto, como as notícias biobibliográficas ou mesmo certos estudos introdutórios. A dimensão pragmática (Genette, 1987) de uma antologia gira em torno da adesão do leitor ao novo conjunto proposto, seja pela autoridade dos selecionadores ou pela coerência dos argumentos apresentados nas instâncias prefaciais.

23Os projetos de Antologia Contemporânea e Antologia Brasileira, ambas escolares, revelam-se bastante diferentes. A primeira tem uma economia simples, centrada no valor linguístico do texto. Ele orienta a seleção – textos anteriores ao século XIX foram excluídos por conta de sua dificuldade – e a organização – sem ordem cronológica ou alfabética, a progressão da dificuldade linguística determina a apresentação dos 79 de prosadores e poetas brasileiros e dos 45 prosadores e 33 poetas. Antologia Brasileira interessa-se pelos aspectos estético-literários dos fragmentos selecionados, que contextualiza por meio de pequenos ensaios teóricos, e organiza em ordem cronológica regressiva de nascimento, sem distinção entre autores brasileiros e portugueses. O período abarcado é extenso, do século de Camões ao modernismo brasileiro.

24As antologias de vulgarização do período caracterizavam-se por leituras mais verticais das expressões literárias, dedicadas a um gênero ou geração específicos. Os projetos de Obras-primas do conto brasileiro e Antologia dos Poetas Brasileiros da Fase Romântica, convergem na economia enxuta. A primeira é formada por uma introdução, breves notícias biobibliográficas e retratos dos autores pintados por José Whast Rodrigues, precedendo os contos. Abrem e fecham a seleção, ao gosto da época, os contos populares “Cunhan etá maloca” e “Aventuras de Pedro Malazarte”. Os demais 26 contos são organizados segundo a ordem alfabética de autor. Trata-se do projeto que mais valoriza a autoria em detrimento do texto, divergindo, ainda nesse ponto, das antologias escolares. O ponto alto desse projeto é sua assumida seleção de segundo grau e a vocação à correção:

Para esta antologia os organizadores valeram-se, em grande parte, do inquérito realizado há pouco tempo pela Revista Acadêmica, do Rio de Janeiro, para apurar quais os dez maiores contos brasileiros [...]. Verificamos, porém que dez contos seria pouco [...]para formar um panorama mais ou menos completo do conto brasileiro [...]. Dirigindo-nos aos autores mais sufragados, tivemos uma surpresa: – quase todos, em lugar dos contos indicados nos inquéritos, davam preferência a outros dos seus trabalhos. Isso nos levou a novas leituras. (Barbosa e Cavalheiro, 1943: 11)

25Antologia dos Poetas Brasileiros da Fase Romântica tem o projeto mais austero dentre os analisados, trazendo apenas os nomes dos autores, como títulos das seções destinadas aos poemas – muitos excertos de poucos escritores apontam para uma visão depuradora da tradição, ligada a noções como gênio e representatividade. No mais, um longo prefácio é sucedido por uma organização de 130 excertos, de 25 autores e notas de fim com esclarecimentos estéticos e metodológicos.

Categoria autor e legitimidade da seleção

26Sobre a categoria paratextual de autor, sabe-se que “le nom de l’auteur remplit une fonction contractuelle [...] beaucoup plus forte dans toutes les sortes d’écrits référentiels, où la crédibilité du témoignage, ou de sa transmission, s’appuie largement sur l’identité du témoin ou du rapporteur” (Genette, 1987: 44). As antologias parecem enquadrar-se perfeitamente neste caso. As personalidades e as credibilidades manejadas no corpus analisado dividem-se entre as figuras: do professor, do poeta e do crítico.

27Nas capas das antologias escolares, estampa-se a filiação dos professores: “Cláudio Brandão, catedrático do ginásio mineiro” (Brandão, 1931: Capa). Com Jonathas Serrano, o expediente é substituído pela inclusão de uma lista de suas muitas publicações antecedendo o prefácio (Serrano, 1943: 4). No caso Barbosa e Cavalheiro, jornalistas e críticos, a categoria autor e a credibilidade do projeto apoia-se também na pré-seleção da Revista Acadêmica e na consulta aos próprios contistas selecionados. O caso de Bandeira, tendo em vista o fato de tratar-se de um poeta mais do que reconhecido e do caráter oficial do projeto editorial, é o que melhor exemplifica o lugar do selecionador na credibilidade da antologia.

28No entanto, retomando a definição de Baubeta de que antologias são “deliberately selected and organised in such a way as to serve the editor’s purpose” (Baubeta, 2007: 34), é fundamental considerar os sistemas de poder dentro dos quais esses objetos foram concebidos. Se a intencionalidade é mais clara e documentada na antologia de Manuel Bandeira, no caso das editoras Martins (de Obras primas e Antologia Brasileira) e Francisco Alves (de Antologia Contemporânea), a compreensão dos propósitos editorias deve levar em conta alguns aspectos, a saber: a grande taxa de mortalidade das editoras e o fato de o mercado do livro didático ser o único a apresentar garantias de retorno para as casas editoriais (Hallewell,1985: 267); e as complexas relações que se estabeleceram entre um Estado autoritário e intervencionista, disposto não somente a eliminar as mensagens contrárias ao regime, como também a controlar toda imagem veiculada da cultura e da história nacionais, e o setor responsável pela produção, circulação e fixação dessas imagens.

Dimensão crítica e ideológica do paratexto

29As instâncias prefaciais têm a função de orientar a leitura, através das estratégias de: valorização, explicação, apresentação e contextualização; e das declarações de intenção, veracidade, honestidade, entre outras. No caso particular das antologias, os textos introdutórios buscam valorizar o conjunto da ação antológica, sua precisão e utilidade. Apresentam e justificam critérios e, no caso das antologias escolares, instruções para melhor proveito do material em sala de aula. Nos projetos de Obras-primas e, sobretudo, de Antologia dos poetas brasileiros, fica claro, ainda, que “la dimension critique et théorique de la préface […] l’entraîne manifestement vers la frontière qui sépare (ou plutôt vers l'absence de frontière qui ne sépare pas nettement) le paratexte du métatexte, et plus concrètement la préface de l'essai critique” (Genette, 1987: 273).

30A análise da dimensão ideológica – aparente ou subentendida – das instâncias prefaciais das antologias e sua relação o projeto identitário do governo apresentou variações interessantes. O grau máximo de adesão ao discurso oficial da educação foi constatado no prefácio escrito por Jonathas Serrano, que se apoia na reprodução de partes consideráveis da legislação da época, como as que prescreviam, com explícito cunho ideológico, o uso da leitura para “acentuar e elevar no espírito dos adolescentes a consciência patriótica e a consciência humanística”, ou que defendiam o interesse de exemplificar a matéria com “máximas morais e patrióticas e provérbios atinentes à vida prática” ou que recomendavam que sempre que possível o professor falasse “não só dos grandes vultos da civilização brasileira, principalmente os escritores, mas também das figuras mais iminentes das literaturas portuguesas e estrangeiras” (Serrano, 1943: 7-8). Além da transcrição do texto oficial, há uma interação com ele:

Antes de qualquer outra consideração, sublinhemos que, na reforma Capanema, como aliás na reforma Campos, o idioma nacional figura como seu verdadeiro nome […] não conhecemos língua brasileira distinta da portuguesa a ponto de construir outro idioma. […] Assim pensam os que se colocam serenamente no ponto de vista da cultura e não de um mero jacobinismo sem base científica. (Serrano, 1943: 5-6)

31Assim como elogios abertos à coerência do legislador: “Nem precisamos insistir na sensatez com que foram pensadas e escritas estas palavras” (Serrano, 1943: 5-6)– quando trata da serventia de ensinar a unidade da língua portuguesa no Brasil e em Portugal.

32Na contramão deste exemplo, encontra-se o prefácio de Brandão que não faz nenhuma referência às questões nacionais, concentrando-se na função exclusiva de guia de uso do material didático que comporta. Seu único e breve ruído nacionalista aparece no parágrafo final, sendo muito mais retórico do que ideológico: “Por felizes nos teremos e por abençoadas as fadigas que nos custou este trabalho, se com ele alcançarmos prestar algum serviço, pequeno embora, à mocidade estudiosa do Brasil (Brandão, 1931: 8).”

33Eventualmente, pode-se constatar a coincidência entre estética e ideologia da nação, como na passagem de Ronald de Carvalho que os autores de Obras-primas utilizam para iniciar seu prefácio:

Um povo sem literatura [...] seria, naturalmente, um povo mudo, sem tradições e sem passado, fadado a desaparecer como reles planta rasteira, nascida para ser pisada. De todas as artes, é a palavra, sem contestação, aquela que exerce uma influência mais penetrante, um papel mais saliente na formação da nacionalidade. (Barbosa e Cavalheiro, 1943: 7)

34É inegável que Antologia dos poetas brasileiros da fase romântica é um instrumento do discurso oficial do governo Vargas sobre a tradição literária. Contudo, é interessante notar que o prefácio de Bandeira é o que menos apresenta arroubos nacionalistas ou veicula os valores em voga em suas entrelinhas. Chega, mesmo, a ridicularizar os exageros de românticos como Porto-Alegre “descrevendo as nossas frutas sem sessenta e um versos que são uma caricatura grotesca da natureza americana” (Bandeira, 1937: 11). O único ponto que aproxima o longo estudo que o poeta faz no prefácio e o projeto de reformulação da identidade varguista é a visão que expõe acerca das origens do indianismo, ao discutir as teses de Capistrano de Abreu:

Como se vê, para Capistrano o indianismo, longe de ser a planta exótica mal transplantada pelos românticos, tinha raízes fundas em nossa literatura popular. A idealização do índio, correspondia perfeitamente ao sentimento nacional : ela é anterior ao romantismo e não desapareceu com ele. Será, se quiserem, um erro nacional. O que me parece inadmissível é querer filiar o indianismo romântico à simples influência de Chateaubriand e Fenimore Cooper. (Bandeira, 1937: 15)

Conclusões

35A análise das antologias estudadas parece relevar uma relação profunda entre o gênero antológico e a ressignificação da identidade brasileira no Estado Novo. Tal relação explicar-se-ia: pela coincidência entre os componentes do discurso antológico e do discurso identitário desde seu surgimento, no século XIX, na esteira do Estado-nação brasileiro; pelo lugar que a estética do fragmento e as antologias ocuparam na pedagogia do nacional, tanto na legislação educacional do período quanto na consolidação de um discurso crítico sobre o passado literário, voltado para o grande público. As conclusões apontam, igualmente, para o fato de que a ressonância do discurso oficial de exaltação da nação, nas páginas e nas entrelinhas das antologias, vai além do que se poderia considerar simples reflexo do espírito do tempo, tratando-se, de fato, de uma ampla instrumentalização de um objeto reconhecido por sua qualidade de vetor ideológico.

36Fruto de uma ação antológica – seleção, organização e contextualização – as antologias constituem novos conjuntos, marcados por grande intratextualidade, constituindo espécies de mosaicos cujo cimento é, na maioria dos casos analisados, o discurso da Nação.

Top of page

Bibliography

ACHUGAR, Hugo, “Parnasos Fundacionales”, Revista Iberoamericana, vol. LXIII, n° 178-179, 1997, p. 13-31.

ANDERSON, Benedict, L’imaginaire national: réflexions sur l’origine et l’essor du nationalisme, Traduit de l’anglais par Pierre-Emmanuel Dauzat, Paris, La Découverte/Poche, 2006.

BANDEIRA, Manuel, Antologia dos Poetas Brasileiros da Fase Romântica, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1937.

BARBOSA, Rolmes e CAVALHEIRO, Edgard, As Obras-Primas do Conto Brasileiro, São Paulo, Martins Editora, 1943.

BARRETO, Fausto e LAET, Carlos de, Antologia Nacional, Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1895.

BAUBETA, Patrícia, The anthology in Portugal: a new approach to the history of Portuguese literature in the twentieth century, Oxford, Peter Lang, 2007.

BRANDÃO, Cláudio, Antologia Contemporânea, Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1931.

EVERETT, Jane e MARCOTTE, Sophie, “De l’anthologie”, Voix et Images, vol. 35, n° 2, 2010, p.7-15.

FRAISSE, Emmanuel, Les anthologies en France, Paris, PUF, 1997.

GENETTE, Gerard, Seuils, Paris, Seuil, 1987.

GOMEZ, Thomas, “Introduction : École, culture et nation dans le monde ibérique, ibéro-américain et méditerranéen”, in École, culture et nation, Nanterre, Université Paris X, 2005, p.5-8.

GUILLÉN, Claudio, “Sobre las antologías”, Ínsula, n° 721-722, 2007, p. 2.

HALLEWELL, Laurence, O livro no Brasi: sua história, São Paulo, EDUSP, 1985.

MINELI, Sérgio, Os intelectuais e a classe dominante no Brasil, São Paulo, Edusp, 1980.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E SAÚDE, “Portaria Ministerial de 17 de março de 1936”, Diário Oficial da União, 19 de março de 1936, Seçao 1, p. 5792.

__________, “Decreto-Lei n° 93 de de 21 de setembro de 1937”, Diário Oficial da União, 27 de dezembro de 1937, Seção1, p. 25586.

__________, “Decreto-Lei nº 1.006, de 30 de dezembro de 1938”, Diário Oficial da União, 5 de janeiro de 1939, Seção 1, p. 277.

__________, “Decreto-Lei n° 1.545, de 25 de agosto de 1939”, Diário Oficial da União, 28 de agosto de 1939, Seção 1, p. 20674.

MORAES, Marcos (org.), Correspondência Mario de Andrade & Manuel Bandeira, São Paulo, Edusp, 2000.

OLIVEIRA, Alberto e JOBIM, Jorge, Poetas Brasileiros, Rio de Janeiro, Garnier, 1921.

__________, Contos Brasileiros, Rio de Janeiro, Garnier, 1922.

PALENQUE, Marta, “Cumbres y abismos: las antologías y el canon”, Ínsula, n° 721-722, 2007, p. 3-4.

PONCIONI, Claudia, “Éducation et Modernisme dans le Brésil de Getulio Vargas”, in GOMEZ, Thomas (org.), École, culture et nation, Nanterre, Université Paris X, 2005, p.133‑160.

SCHWARTZMAN, Simon (org.), Estado Novo, um auto-retrato: Arquivo Gustavo Capanema, Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1982.

SCHWARTZMAN, Simon, BOMENY Helena e COSTA Vanda, Tempos de Capanema, São Paulo, Paz e Terra/EDUSP, 2000.

SEYFERTH, Giralda, “Os imigrantes e a campanha de nacionalização do Estado Novo”, in PANDOLFI, Dulce (org.), Repensando o Estado Novo, Rio de Janeiro, FGV, 1999, p.199-228.

SERRANO, Jonathas, Antologia Brasileira, São Paulo, Martins Editora, 1943.

STEGAGNO-PICCHIO, Luciana, História da Literatura Brasileira, Rio de Janeiro, Lacerda, 2004.

THIESSE, Anne-Marie, La création des identités nationales : Europe, XVIIIe-XXe siècle, Paris, Seuil, 2001.

Top of page

Notes

1 Em carta de 6 de março de 1936 destinada a Mário de Andrade (Moraes, 2001: 621), Manuel Bandeira referiu-se às séries de publicações oficiais sobre diversos aspectos da cultura nacional, idealizadas por Gustavo Capanema, no MES, como “obras de divulgação instrutiva”.

Top of page

References

Electronic reference

Paula Candido Zambelli, « Antologizando a Nação: antologias literárias brasileiras, identidade e ideologia no Estado Novo (1937-1945)  », Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM [Online], 33 | 2017, Online since 16 June 2017, connection on 23 September 2017. URL : http://alhim.revues.org/5718

Top of page

About the author

Paula Candido Zambelli

Université Sorbonne Nouvelle-Paris 3 (CREPAL)
Doutoranda contratual do Centre de recherches sur les pays lusophones (CREPAL) da Universidade Sorbonne Nouvelle-Paris 3, sob a direção de Claudia PONCIONI.
paula.candido@univ-paris3.fr

Top of page

Copyright

Licencia Creative Commons
Amérique latine Histoire et Mémoire está distribuido bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.

Top of page
  • Logo Université Paris 8 - Vincennes Saint-Denis
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org